Nas redes sociais, as “tags” associam palavras-chave a uma informação. Para a Renault é sinónimo de uma nova série limitada, cheia de equipamento, agora presente no Captur.

Depois de introduzir a série limitada Hashtag (#) no Clio, a Renault decidiu aplicar a mesma receita no Captur, um dos seus modelos mais irreverentes. Esta versão, aplicável a toda a gama, surge recheada de equipamento de série, colocando-se no topo da gama. Exteriormente, além da placa identificativa, destaque para as jantes de 17 polegadas Capuccino, retrovisores exteriores rebatíveis eletricamente e pintura de dois tons (metalizada, 400 euros). Mas é no interior que mais se notam as diferenças face ao Captur convencional, com a inclusão de decoração interior cromada, ar condicionado automático, bancos dianteiros aquecidos, estofos em couro e alcantara, pedais em alumínio, sistema de ajuda ao estacionamento, soleiras das portas dianteiras com a palavra “Renault”, tapetes premium e o mais recente sistema de infotainment R-Link Evolution. Fazendo as contas, este Captur Hashtag custa quase mil euros a mais do que a versão de equipamento Exclusive. A unidade ensaiada conta com o motor ideal para o crossover, o 1.5 dCi com 110 cv, associado a uma caixa manual de seis velocidades, de funcionamento muito preciso. Os 20 cv e 40 Nm adicionais face à versão Diesel de acesso tornam o funcionamento do Captur consideravelmente mais suave e progressivo, mas simultaneamente mais célere e contido nos consumos. O comportamento elástico do motor, assim como uma sexta relação longa, contribuíram para uma média de 4,4 l/100 km. O conforto sai reforçado pelos bancos em couro e alcantara, em dois tons.

Assine Já

Edição nº 1437
Já nas bancas

Digital Papel

Top

Os mais recentes